Base Nacional Comum Curricular

bnc

Proposta do PNEF para o BNC Portaria – especialistas BNC
BNCC – apresentação Técnicos UNDIME e CONSED
Educação Fiscal na BNCC Apresentação GEREF sobre BNCC
Tutorial – Conhecendo a Base Nacional Tutorial – Cadastro na Base Nacional
Tutorial – Contribua na Base Nacional

 

O Ministério da Educação (MEC) lançou o site da Base Nacional Comum Curricular (BNC) – plataforma que irá receber sugestões de organizações, redes de ensino e da sociedade em geral para a definição do que os alunos do ensino básico devem aprender ano a ano. No dia 16 de setembro, o MEC divulgará oficialmente a proposta preliminar para, a partir dela, coletar sugestões até o dia 15 de dezembro pelo endereço http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

O portal já está no ar, e é essencial que os Grupos de Educação Fiscal do Estados e Munícipios (GEFEs e GEFEMs) façam seu cadastro no link abaixo, para que possam contribuir para a elaboração da base.

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/cadastro

Cabe destacar que a recomendação é que as redes de ensino, os movimentos sociais, entidades classistas e demais grupos enviem propostas já organizadas, que os represente. Já as contribuições individuais serão consolidadas pelo MEC. O site permite que os colaboradores enviem arquivos e que professores compartilhem, por exemplo, aplicações em sala de aula do que estão defendendo para a BNC.

Para reforçar a relevância da temática da Educação Fiscal é imprescindível que as contribuições sejam feitas individualmente e também pelo GEFE, demonstrando o impacto das iniciativas já existentes.

A definição de uma base comum curricular é uma das estratégias que constam no Plano Nacional de Educação (PNE), Lei nº 13.005/2014. O PNE estabelece metas e estratégias para os próximos dez anos, de modo a melhorar a educação.

A proposta preliminar da BNC está sendo construída por uma comissão de 116 especialistas (Portaria nº 592, de 17 de junho de 2015) que será colocada para consulta. Depois de consolidada, a proposta da base será enviada ao Conselho Nacional de Educação (CNE) para avaliação, e posterior homologação e implementação.